Criança índigo

16-11-2010 19:46

 

 



 



O termo criança índigo vem do movimento da Nova Era e da ciência espiritual modernos. Chamam-se crianças índigo a certos seres que supostamente trouxeram características que os diferenciam das crianças normais, tais como, a intuição, espontaneidade, resistência à moralidade estrita e restritiva, e uma grande imaginação, avolumando-se frequentemente também entre tais capacidades, os dons paranormais, embora estes dons não sejam normalmente do conhecimento da própria criança.



As crianças índigo podem ser vistas como uma espécie de milenarismo, em que se acredita que tais seres mudarão o mundo até a um estado mais espiritual e menos estritamente moralizado.




Há que notar que uma boa quantidade das crianças índigo foram classificados de hiperativos ou com o polêmico síndrome de déficit de atenção. O qual explicaria em boa medida o interesse de pais e educadores por este assunto.




Origem


No ano de 1982, a parapsicóloga Nancy Ann Tappe elaborou um sistema para classificar os seres humanos de acordo com a suposta cor da sua aura espiritual.



No seu livro: "Compreenda A Sua Vida Através Da Cor" faz um estudo sobre "as cores da vida".




Segundo Tappe, cada pessoa possui uma certa cor na sua aura em função da sua personalidade e interesses.




Para Nancy Tappe, no caso das crianças índigo a sua aura tende a mostrar cores anis ou azuis, a qual reflete uma espiritualidade mais desenvolvida.




A citada Nancy Ann Tappe disse ter detectado pelo seu método, que as auras de cor índigo começaram a aparecer na década de 80 do século XX e que tem uma tendência a proliferar, o que parece justificar o seu papel de transformação da sociedade num futuro breve.




Características gerais




As crianças índigo mostram uma série de atributos sensoriais recorrentes, como a hipersensibilidade auditiva ou a hipersensibilidade tátil.




De igual forma, estas crianças têm um padrão de comportamento similar entre eles, a mencionar:




Chegam ao mundo com sentimento de realeza e a curto tempo se comportam como tais.


Têm a sensação de ter uma tarefa específica no mundo, e se surpreendem quando os outros não a partilham.

Têm problemas de valorização pessoal, a curto tempo dizem a seus pais quem são.

Custa-lhes aceitar a autoridade que não oferece explicação nem alternativa.

Sentem-se frustrados com os sistemas ritualistas que não requerem um pensamento criativo.

A curto espaço de tempo encontra formas melhores de fazer as coisas, tanto em casa como na escola.

Parecem ser anti-sociais, a menos que se encontre com pessoas como eles.

Não reagem pela disciplina da culpa.

Questionam frequentemente os dogmas religiosos, não os aceitando naturalmente como tradição familiar.

Não são tímidos para manifestar as suas necessidades.



Tipos de Crianças Índigo



Segundo os investigadores deste tema, há quatro tipos de Índigos: humanista, conceptual, artista e interdimensional.



Humanistas: Muito sociais, conversam com toda a gente e fazem amizades com muita facilidade. São desastrados e hiperativos. Não conseguem brincar só com um brinquedo, gostam de espalhá-los pelo quarto, embora as vezes não peguem na maioria. Distraem-se com muita facilidade. Por exemplo: se começam a arrumar o quarto e encontram um livro , nunca mais se lembram de acabar as arrumações.


Como profissões, escolherão ser médicos, advogados, professores, vendedores, executivos e políticos. Trabalharão para servir as massas e, claro, atuarão sempre ativamente.



Conceptuais: Estão muito mais virados para projetos do que para pessoas. Assumem uma postura controladora. Se os pais não estiverem pelos ajustes e não permitirem esse controle eles vão a luta. Tem tendência para outras inclinações, sobretudo drogas na puberdade, casos se sentem rejeitados ou incompreendidos. Daí a redobrada atenção por parte de pais e educadores em relação aos seus padrões de comportamento.


No futuro serão engenheiros, arquitetos, pilotos, projetistas, astronautas e oficiais militares.



Artistas: São criativos em qualquer área a que se dediquem, podendo, inclusive, vir a ser investigadores, músicos ou atores altamente conceituados. Entre os 4 a 10 anos poderão vir a interessar-se ate 15 áreas diferentes (ou instrumentos musicais, por exemplo), largando uma e iniciando outra. Quando atingirem a puberdade, aí sim, escolherão uma área definitivamente.


Serão os futuros professores e artistas.



Interdimensionais: Entre os seus 1 e 2 anos os pais não podem tentar ensinar-lhes nada, pois eles responderão que já sabem e que podem fazer sozinhos. Normalmente, porque são maiores que os outros tipos de índigos, mostram-se mais corajosos ainda e por isso não se enquadram nos outros padrões.


Desta forma, os estudiosos do assunto acreditam que estas crianças seriam as responsáveis pela introdução de novas filosofias ou espiritualidade no mundo.



Crianças índigo e doutrina espírita



Particularmente depois que o médium e orador espírita Divaldo Franco teve uma de suas palestras sobre o tema transcrita e ampliada transformada em livro bilíngüe pelas mãos da neurocientista brasileira Vanessa Anseloni, radicada nos EUA e antiga defensora da integração entre os dois temas o conceito passou a ser visto com simpatia por muitos espíritas.



Para eles, as crianças índigo seriam espíritos exilados de outros mundos. Como não fossem capazes de acompanhar o "progresso moral" de tais planetas, eles teriam sido encaminhados para mundos inferiores, como a Terra, com a meta de auxiliar sua evolução. Os defensores dessa idéia tratam-na como um desenvolvimento do tema migrações espirituais, presente em obras populares no meio espírita brasileiro, como A Caminho da Luz e Exilados de Capela, e pincelado por Allan Kardec em A Gênese.




Por outro lado, há grupos espíritas que são contrários à associação entre o tema crianças índigo e o espiritismo.




Defendem que as obras A Caminho da Luz e A Gênese não abordam o termo crianças índigo, tampouco trazem referências às características físicas e psicológicas que costumam ser atribuídas a elas.




Eles repudiam a publicação e tradução de livros relacionados ao tema por editoras que possuem foco de mercado no público espírita, como a Petit, bem como os palestrantes espíritas que utilizam esta temática.




Alguns pesquisadores dizem ser muito difícil haver uma civilização mais evoluída no sistema solar de uma estrela Plêiade como Alcione, conforme afirma Divaldo pois estas teriam apenas cerca de 100 milhões de anos, enquanto a Terra teria demorado quase um bilhão de anos apenas para esfriar e aparecerem os primeiros organismos unicelulares e quase mais quatro bilhões para o surgimento do "Homo sapiens". Além de contestar a suposta influência gravitacional de Alcione na Terra.




Divaldo Franco não reconhece influência mediúnica em suas elaborações sobre o tema. Por se tratar de um palestrante que também se notabilizou como médium, esse fato pode servir como fonte de descrédito, diante de certos setores espíritas, para as idéias que defende sobre crianças índigo.




O boletim Mensagem discute sobre a origem do termo crianças índigo e sua utilização no movimento espírita.




O que é uma Criança Índigo?


Uma Criança Índigo é aquela que apresenta um novo e incomum conjunto de atributos psicológicos e mostra um padrão de comportamento geralmente não documentado ainda. Este padrão tem fatores comuns e únicos que sugerem que aqueles que interagem com elas (pais em particular) mudam seu tratamento e orientação com objetivo de obter o equilíbrio. Ignorar esses novos padrões é potencialmente criar desequilíbrio e frustração na mente desta preciosa nova vida.



Existem vários tipos de Índigos, mas na lista a seguir nós podemos dar alguns dos padrões de comportamento mais comuns:


• Elas vêm ao mundo com um sentimento de realeza e freqüentemente agem desta forma.

• Elas têm um sentimento de "desejar estar aqui" e ficam surpresas quando os outros não compartilham isso.

• Auto-valorização não é uma grande característica. Elas freqüentemente contam aos pais quem elas são.

• Elas têm dificuldades com autoridade absoluta sem explicações e escolha.

• Elas simplesmente não farão certas coisas; por exemplo, esperarem quietas é difícil para elas.

• Elas se tornam frustradas com sistemas ritualmente orientados e que não necessitam de pensamento criativo.

• Elas freqüentemente encontram uma melhor maneira de fazer as coisas, tanto em casa como na escola, o que as fazem parecer como questionadores de sistema (inconformistas com qualquer sistema).

• Elas parecem anti-sociais a menos que estejam com outras do mesmo tipo. Se não existem outras crianças com o nível de consciência semelhante em volta, elas freqüentemente se tornam introvertidas, sentindo-se como se ninguém as entendesse. A escola é freqüentemente difícil para elas do ponto de vista social.

• Elas não responderão à pressão por culpa do tipo: "Espere até seu pai chegar e descobrir o que você fez".

• Elas não são tímidas em fazer você perceber o que elas precisam.O termo "Crianças Índigo" vem da cor da aura dessas crianças. Existe uma amiga dos autores, que conheceram em meados dos anos 70, cujo nome é Nancy Ann Tappe. Nancy foi a autora do livro chamado "Entendendo Sua Vida Através da Cor" (Understanding Your Life Through Color). Neste livro estão as primeiras informações sobre o que ela titulou de Crianças Índigo.



Como ela vê as cores? Quão preciso é isso? Nancy tem sido diagnosticada com uma situação em que dois dos seus sistemas neurológicos cruzam e isso cria uma situação em que ela, literalmente, pode ver a aura humana. Ela é como uma câmera de Kirlian, ou seja, ela vê campos eletromagnéticos, as cores e as freqüências. Ela é uma pessoa fabulosa, uma maravilhosa conselheira, metafísica e professora.




Ela percebeu muito cedo que existia uma cor da aura associada com alguns recém-nascidos. Ela estava trabalhando no seu PhD. Nancy tem dito desde 1980 que cerca de 80% das crianças nascidas são índigo. E, a partir de 1995, nós temos um índice maior ainda, tanto que requer uma análise para saber o que está acontecendo.




Nós estamos vendo uma nova geração de Mestres vindo para nosso planeta e elas são também chamadas de "Crianças Estrela", "Crianças Azuis" e através do trabalho de Nancy, elas são chamadas, a partir de nossa perspectiva, de "Crianças Índigo". Elas são nossa esperança para o futuro. Elas são nossa esperança para o presente. E isso, esotericamente falando, é o que está realmente acontecendo.






Os Indigos Adultos





Quando se fala de índigos, podemos falar tanto de crianças, adolescentes ou adultos. As primeiras gerações de índigos chegaram à muito tempo, de certa maneira, sempre têm estado, pois nunca se foram embora; a vibração índigo simplesmente esteve adormecida e agora é tempo de despertá-la.



Desde à 3 ou 4 gerações o número foi-se incrementando gradualmente até á geração que está agora na infância, que é a grande massa crítica, vibra totalmente na frequência índigo. Muitas das pessoas que são trabalhadoras da luz, são índigo ou índigo-roxo, sendo a sua missão a de preparar caminho e conscientizar as pessoas. Os Índigo-roxo, têm dois tipos de energias integradas, podendo trabalhar tanto com as vibrações atuais como com as que estão a chegar. A função é ser uma ponte energética da vibração antiga e da moderna, ajudando no processo de mudança vibracional, já que se tem o dom de trabalhar com as duas partes. Os índigos têm de preparar o caminho, seja trabalhando com pais e educadores, com a Nova Educação, ou trabalhando com crianças, ensinando-lhes como funcionam as coisas no plano físico, para fazerem a encarnação o menos traumática possível.




Quem sabe se tu podes ser um Índigo adulto? Como sabê-lo? O primeiro é perguntar à tua intuição, a qual te guiou até aqui, para saberes parte da resposta.


- Tiveste ou tens algumas características mostradas pelas crianças índigo?

- Tens problemas de concentração? Foi-te diagnosticado ADD ou ADDH?

- Existe um certo caos na tua vida e não sabes porquê?

- Vives com gosto nesse caos?

- É difícil estar num trabalho que não seja variado e com mudanças constantes?

- Vives numa constante mudança?

- Só te sentes bem com pessoas da mesma vibração que tu?

- Acreditas que todo o mundo tem as mesmas atitudes que tu, por isso quando não fazem as coisa da mesma maneira que tu, não o entendes?

- Quando o teu chefe te diz para fazeres uma coisa, quase sempre tens uma forma melhor de a fazeres?

- Aprendes rapidamente mas quando sabes o suficiente aborreces-te e largas?

- Se algo te interessa, pões os cinco sentidos e concentras-te até que o consigas?

- Ter atenção na escola custava-te muito, mas se a matéria te apaixonava absorvias tudo como uma esponja?

- Tiveste problemas com a autoridade, questionando-a sempre?

- Adolescente problemático?



Estas características estão baseadas na minha própria experiência e de pessoas perto de mim que são índigos.




Tradução: Paula de Almeida






Fonte:

Wikipedia.

http://www.geocities.com/elclubdelosninosindigo/Osindigosadultos.html

http://www.flordavida.com.br/HTML/indigo.html